Firefox 4 e o futuro da Web!

29/03/2008 - 2 Respostas

Já ouviram falar na morte dos browsers? Pois é.. o fim deles está próximo. Existem alguns experimentos no Mozilla Labs que indicam essa direção. São dois: o Mozilla Prisma e o Mozilla Weave!

Mozilla Prisma
Como é hoje

Projeto muito interessante! Indica que talvez os websites se tornem como programas desktop. Iniciados por exemplo pelo menu iniciar do windows. Seria o fim dos botões avançar e voltar, e as aplicações web cada vez mais se comportariam como aplicações desktop.

O Mozilla Prisma permite que seus usuários deixem seus programas web preferidos no meu iniciar!

Mozilla Weave

Esse vai na direção completamente oposta ao Mozilla Prisma. O Mozilla Weave procura disponibilizar serviços de web de maneira inteligente e prática na internet. Vamos entender com exemplos:

1. Francisco costuma ir à casa de sua avó nos finais de semana. Ele não tem computador e normalmente usa o computador de sua avó, onde ele instalou o Firefox e outros pequenos aplicativos. Conforme ele navega, vai adicionando sites aos favoritos do Firefox. Com Mozilla Weave ele poderá acessar os favoritos do seu browser em qualquer Firefox no mundo!

2. E não é só isso! O Mozilla Weave promete ser uma aplicação bem inovadora. Por exemplo: Jaime teve um problema no seu HD, perdeu todas suas músicas, fotos e videos. Mas como Jaime é um cara prevenido e tinha uma conta no Mozilla Weave, ele pode recuperar todos os seus dados diretamente da internet!

Provavelmente não veremos estas inovações no Firefox 3 (que deve chegar ao mercado até o meio do segundo semestre de 2008) pois ainda existem diversos conceitos e outras questões a serem discutidas. O que temos como certo é que o Firefox 4 promete revolucionar a internet!

Tá começando em PHP? Então se liga… 01

22/03/2008 - Uma resposta

Tenho alguns amigos que pediram umas dicas sobre como começar a programar em PHP, bom não sou o expert no assunto mas posso dar uma forcinha, dedico algumas horas do meu dia a esse (as vezes difícil, as vezes agradável) trabalho.

Então, pra começar tenha uma cópia da documentação do PHP no seu próprio computador (eu prefiro as .CHM), vá em http://php.net e baixe a última versão do manual do PHP, esse é o melhor livro que existe sobre a linguagem. Outra, tenha uma cópia da documentação do MySQL, é mto útil ter onde consultar sobre querys e tudo mais.

Depois de baixar as documentações, baixe também o WAMP, é um ambiente útil, já vem com Apache, MySQL, PHPMyAdmin e tudo mais, configurado e funcionando. Poupa tempo e trabalho, e é bem parecido com os servidores de produção que a gente encontra por aí. Outra coisa, não se esqueça de baixar o MySQL GUI Tools. Eu particularmente não gosto de usar o PHPMyAdmin, acho ele lento e cansativo, o MySQL Query Browser é útil para isso e é mto mais bonito!

Agora é bom alertar sobre alguns percalsos da linguagem. PHP é interessante, eu diria até peculiar. Tipo, uma coisa que eu não sabia quando comecei a programar era o lance das variáveis e dos identificadores de função… tipo assim, se vc escrever uma função com o nome function FunCaO() e chamá-la como funcao(), o PHP vai reconhecer direitinho.. entretanto o mesmo não ocorre com os nomes de variáveis. PHP é casessensivite para variáveis, portanto não invente de começar com o nome VariAvel e depois chamar VARIAVEL que o PHP não vai entender, e seu programa vai dar errado! Pelo que estou sabendo, esta ambiguidade vai morrer com o PHP6.

Outra coisa, PHP não lida muito bem com diretórios. Portanto é mto bom que seus PHPs fiquem em um diretório único… acho isso horrível! Adoro organizar meu código em subdiretórios mas infelizmente não posso fazer isso com PHP5, em outro post vou apresentar uma função chamada import, que é originalmente escrita para o CMS Joomla, ela é muito útil pra lidar com esse problema!

Legal de Visitar 01

22/03/2008 - Leave a Response

Seguindo recomentações do meu amigo Kituty (vulgo Iure), vai aqui uns sites legais de se visitar.

Atenção: Estes sites são intrissicamente (é assim que escreve?) Geeks, portanto não se assuste com o nível da nerdesa!

GUIdebook: Site muito bom, dedicado à análise da história das GUIs (Graphic User Interface), tem artigos, entrevistas e muito mais, pra quem curte GUIs é uma biblioteca gigante!

ROMNation.net: site especialista em ROMs de diversos consoles, tem até coisas como Watara e Vertrex, mas pra quem quer ficar nos clássicos, tem Super Nintendo e Mega Drive… lembrando que segundo a lei, é preciso ter a cópia do Jogo original em casa pra poder baixar (se bem que ninguém segue a lei no Brasil neh.. detalhe).

Primeiro artigo da serie Legal de Visitar, voltamos a qualquer momento com mais atualizações!

Generative Values – Melhor do que Grátis!

12/03/2008 - Leave a Response

É quase impossível imaginar que existem coisas melhores do que gratis. O que pode ser melhor do que algo que pode ser seu sem nenhum custo? Como um software livre pode gerar rendimentos financeiros?

Hoje nós podemos baixar qualquer tipo de software (ou pelo menos a maioria deles) no momento em que desejarmos. O sourceforge.net está aí para isso: milhares de projetos totalmente novos sendo publicados em tempo real. Como nós podemos ganhar dinheiro com algo que pode ser copiado a qualquer momento?

É preciso compreender que existem características que não podem ser copiadas e são elas que fazem a diferença na hora de escolher entre o grátis e o pago. Essas caracterísicas são os Generative Values.

Algo que pode ser classificado como generativo, deve, antes de mais nada, ser:

  1. Uma qualidade ou atributo que é gerado, desenvolvido, cultivado, portanto toma tempo e envolve esforço emocional e pessoal.
  2. Um valor que não pode ser copiado, imitado ou reproduzido, ele é único.
  3. Desenvolvido, unicamente, durante todo o tempo, e deve ser mantido.

Existem 8 ítens que podem ser agregados a um projeto web que são melhores do que grátis!

  1. Imediação: as pessoas pagam para ver um filme em sua estréia, um filme que será disponibilizado depois (ou mesmo antes) na internet, e de graça!Um bom exemplo desta característica são os projetos lançados como beta. Apesar de conterem falhas e ainda não estar com todas as características previstas no projeto inicial, os usuários se sentem como parte do desenvolvimento e as vezes podem até pagar a mais para participar.
  2. Personalização: aspirina é grátis, mas aspirina para o seu DNA é extremamente cara. Sistemas de gestão comercial são encontrados aos quilos no Superdownloads mas normalmente as empresas preferem comprar tais sistemas, porque eles precisam se encaixar na realidade da empresa, precisam se adequar a realidade daquele empreendimento.
  3. Interpretação: o software? Gratis! O manual? Dez mil dólares! Esse é o caminho que empresas como RedHat e Apache estão seguindo. Você pode ter todo o software que quiser na internet, entretanto o guia de como utilizá-lo de maneira apropriada, na forma em que sua organização necessita e no momento em que você precisa, somente com suporte.
  4. Autenticidade: o original é o original! Ah! Nada melhor do que aquele CD da sua banda preferida na estante! E as pessoas pagam mesmo por isso!
  5. Acessibilidade: onde quer que você esteja, para onde quer que você vá, no momento em que você quiser. Na realidade de mobilidade em que nós vivemos hoje precisamos de informação a todo momento, em qualquer lugar. Podemos ver a morte chegando para aquelas velhas aplicações Delphi! Hoje linguagens como Java e PHP atendem melhor este pré-requisito.
  6. Melhoria constante: hoje funciona bem, amanhã, nem tanto. É facil pegar um software e fazê-lo aparecer na tela do seu computador. Mas, e se for necessário migrá-lo para uma sistema de gerenciamento de banco de dados melhor? E se necessitarmos que ele rode em Palmtops e depois em grandes resoluções? Pois é… melhoria constante custa dinheiro.
  7. Autoria: O Radiohead fez isso, faça você também! Recentemente a banda Radiohead publicou um trabalho de graça na internet e pediu que seus fans pagassem o quanto achassem justo pelo seu trabalho. Resultado? Foi um sucesso.
  8. Na visão do consumidor: não importa o quanto seu trabalho seja bom para você, quem tem que gostar dele é o consumidor.

O sucesso nesse mundo (digital) de muitas cópias depende de algumas dessas características.
Leiam o texto base de Kelvin Kelly no Edge.